A beira da glória!

Vou deixar registrado aqui hoje uma parte da minha história.

Lembro bem como se fosse hoje, foi em 2001 que escrevi meus primeiros versos, eu era bobo, imaturo e com uma sensibilidade que chegava a incomodar. Incomodava tanto que pessoas que me cercavam destilavam críticas e repressões. Críticas estas que me fizeram parar!

Por um bom tempo eu não escrevi uma palavra, meu coração gritava sentimentos e emoções, transbordava e chorava a dor do meu silêncio, e eu estava ali pronto para escrever outra vez, escreve sobre dor, sobre o amor, sobre sentimentos inexplicáveis, escrever o que sentia o que vivia, mas eu precisava de um empurrão, de uma só palavra que me fizesse explodir, foi quando em 2004, eu lembro bem eu estava na aula do meu professor de literatura, Jorge Faraj o nome dele, saudades deste professor. Durante a aula enquanto ele falava, falava eu estava ali concentrado, mas não no que ele dizia, mas no que gemia meu coração, então eu peguei minha apostila e no verso da capa, ali mesmo eu escreve um soneto, um texto que mudou muito o rumo da minha história e eu o intitulei de “Meus Sonhos”. Durante a aula o professor percebeu que eu estava concentrado, mas não no que ele dizia e pediu a apostila, ele pegou e em silêncio começou a ler, ele era gordinho, digo era porque nunca mais o vi, tinha os olhos serrados, a sala ficou muda por alguns minutos, eu fiquei nervoso e com muito medo do que ele poderia dizer ou fazer, mas ele no que nos tomava me devolveu a apostila e pediu para eu prestar a atenção na aula e eu claro prestei. No final, quando saímos para irmos embora ele me chamou e disse: parabéns, muito bom. Você escreveu um soneto sabia? Continue escrevendo, você tem o dom, você tem talento!

Eu nunca esqueci aquele dia, desde então, em qualquer momento, em qualquer lugar eu passei a escrever, textos longos, textos curtos, em guardanapos, em folhas de oficio, até no verso do meu caderno de provas de concursos eu escrevia, estava fissurado!

Os dias foram se passando e minha maneira de escrever foi tomando forma, foi adquirindo um jeito único, tinha minha marca nas palavras, na forma de cita-las, verberava o que sentia, agora sem medo de reprovação, meus textos começaram a ter forma e ideias própria, ter expressão e uma nova face, passaram a ter vida! E eu então me apaixonei.

Meu nome e Maikon R. de Assis o Sr. Patrono o seu “Poeta dos Sonhos”, e hoje quero agradecer a você que tem me dado esta força, que tem me dado esta energia, eu agradeço a você que foi o motivo por qual eu tanto escrevi e por qual eu tanto vou escrever, muito obrigado.

E hoje como o Sr. Patrono esta completando dois anos, o seu segundo aniversário te agradeço mais ainda, pois os parabéns e as felicidades não são para mim, não são para ele, mas para todos vocês que leem e que curtem meus poemas!

Pois, porque eu existiria se não houvesse você?

Obrigado e FELIZ ANIVERSÁRIO SR. PATRONO! ❤

Anúncios

Aprendiz

Manaus, 25 de abril de 2013

Renovado, dia a dia me vejo em tua vitrine, feito um vaso quebrado, mas que resplandece luz

Vaso cheio de fendas, rachaduras que não consigo disfarças, nem com toda a maquiagem em meu rosto estas rugas não consigo estancar

Sou como um papel amaçado com marcas que nunca iram desaparecer, com traços que contam sua história, com manchas que marcam a memória

Aprendiz de uma nova vida, aprendiz de uma eternidade, aprendiz louco a procura da verdade

Vivo aprendendo a viver, aprendendo que não se pode ter tudo, mas que no fim o nada nunca se teve

Aprendi que quando se tem amor, se tem dor e sofrimento, aprendi que em teus braços vivi minha maior prisão

Aprendi que quando se senti apaixonado se está totalmente enganado, o que se tem na verdade e a ganância de conquistar, de mostrar ao mundo que em um punhal teu coração irei cravar

Aprendiz de um guerreiro, de uma fera mortal, aprendiz de um poeta que canta em seus versos o sobrenatural

O pássaro voa guiado pelo insistindo, o cavalo corre o campo guiado pelo seu instinto, mas que instinto é este que põe a humanidade a se perder?

Aprendiz é que eu sou, aprendiz e o que vou ser, que por mil eternidades eu possa entender, entender que no fim todos iremos ser iguais

Qual a diferença entre o açúcar e o sal? Descubra agora e escolha seu final!

Sei que tenho meus tortos pensamentos, sei que arranhando estão meus sentimentos

Sei que sou humano e meu instinto me leva a perdição, mas enquanto eu poder farei de carne meu coração

Vivo este sonho de melhorar, vivo a vontade de chegar, chegar ao fim de uma história como um vaso que se parte ao cair da estante, vaso que se rompe em suas formas e que nunca mais serão as mesmas

Sou eterno, sou imortal, sou aprendiz da vida, quem constrói esta parede, quem senta cada tijolo, quem da forma ao ouro

Sou e sempre serei assim, pequeno exagerado, correndo contra a mão nesta estrada, quero esbarrar com este acaso que poucos encontram e que se chama “MUDANÇA”

Aprendiz eu sou e sempre poderei aprender mais, aprendo hoje que sou eu o dono do meu viver, quem faço a minha paz

Sei que tem mais em mim e que não quero por a perder, sou aprendiz e nunca saberei o suficiente, sempre serei dona desta terra, a falange da minha mente

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Migalhas

Manaus, 22 de abril 2013

O que tu pensas o que passas por tua cabeça?

O que senti teu coração? O que canta teus sonhos, em ritmo de convulsão?

O que achas que tu es?

Te senti diferente, melhor que a gente, melhor que eu?

O dono do mundo, deste século um novo “Moisés”?

 

Mano não te prendas, não te segure e nem finja ser bom pra mim, não te faças de rogado, tu já não é mais a ultima flor deste jardim!

Tu foste meu grande amor eu não nego, mas essa “tão doce” história hoje eu desprezo, pois uma coisa é certa, eu estava era cego!

 

Fui bobo, ridículo, infantil, sem noção, leso estava por ti meu coração!

Estive confuso, sem direção, desnorteado, conduzido por tão forte emoção!

Não me via, não me sentia, nada de mim era mais priori, você se tornou o meu tudo, mas este tudo agora vejo, não era nada!

 

Minha história contigo ficou para trás, como lembranças de um passado ridículo ao qual me envergonho e pra mim não quero mais!

Nossas fotos eu rasguei, como cacos de vidros tua presença em mim eu tornei!

Como pedras de gelo eu deixo este amor, em um deserto sozinho, para que se consuma e suma como favor!

Tenho vergonha de tudo o que fiz, por você nada valeu tão a pena, nunca fui tão panema!

Sempre tive do bom e do melhor e me vieste com migalhas. Sai fora, te toda, não sou nenhuma gralha, some da minha frente com tuas migalhas!

 

Não sou pombo, nem rato, não sou bicho de bico, não!

Sou um pequeno apaixonado que te quis por todos os lados, mas você não quis e vieste com migalhas de você, meu amor pôs pra correr!

Não quero mais você, não quero o seu amor, não quero ter você por perto!

Quero tudo em abundância, quero fartura e você nunca pode me oferecer o melhor, então sai fora!

Tuas migalhas eu desprezo e rejeito, não quero me enganar mais, se for você, que eu viva sem paz!

 

Sou pequeno e sonho em viver um amor gigante

Sou sonhador, desejo um amor profundo, viver sem dor

Me abro e me permito amar outra vez, mas quero você longe, já deu o que tinha de dá, agora pra você eu digo: sai fora, sai pra lá!

Não quero migalhas, migalhas de você, eu quero o que me encha, quero na fartura pra viver!

Não quero migalhas, migalhas de você, quero ter um amor só meu, como um sonho imortal que não me deixa acordar, que eu viva este sonho pra sempre a sonhar!

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Me superando a cada novo dia

–  Este mês o Sr. Patrono estará celebrado seu segundo aniversario, no próximo dia 29 de abril serão dois anos de Sr. Patrono, dois anos que temos dividido sonhos e realidades, dois anos desta marca, deste canal.

– Ter um blog para minha antes era só mais um sonho, mas este mês já serão dois anos que vivo esta realidade © Sr. Patrono Contos & Poesias “O Poeta dos Sonhos”.

– Eu espero de coração que eu tenha conseguido tocar vidas com minha forma singela de escrever, de expressar o dom de amar, eu espero ter tocado corações, eu espero que durante estes dois anos eu e você tenhamos chorado juntos, se alegrado juntos, caído e levantado e espero que não só por estes dois anos, mas que por toda uma vida infinita venhamos estar juntos, pois eu tenho certeza de uma coisa, eu creio que se algum dia Deus sonhou algo pra mim, eu tenho vivido cada segundo deste sonho hoje como você.

“Sou a alegria, a fantasia, sou estress o dia-a-dia, eu sou teu, meu de todos nós”.

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Aquarela

Manaus, 31 de março de 2013

Desenhe seu sorriso pra mim, desenhe-o em curtos segundos sem fim

Desenhe teu sorriso agora e me faça viver outra vez, me faça sair de debaixo destas cobertas, quero poder correr mais esta trilha

Fico preso em meu quarto, isolado em meu mundo de ingratidão, tentando fazer descansar o meu coração

Mas como uma grande mentira que é contata por mil razões

Vivo esta vida sem cor, vivo pisando em finas agulhas, com tanta dor

 

Desenhe agora com teu olhar, como em uma aquarela que os teus olhos venham me revelar

Que me mostre os teus sonhos o teu interior, que nesta tela pintada eu te encontre onde for

Que mostre uma vida além do normal, que me mostre você, além dos sonhos, além do meu querer, no sobrenatural

Que pinte nesta tela uma linda aquarela pra mim, que pinte nesta tela no fundo teu sorriso sem fim

 

Com tintas que não desbotam, com toques que nunca cessam

O pintor revelar o seu interior, ao fechar os olhos e sentir a brisa soprar, que me pinte agora, mostre ao mundo como pode me amar

O pintor se revela profundamente quando em uma fina aquarela se põe a borrar

O pintor mostra ao mundo o seu interior que esta cheio de tudo que há de bom, ele revela em seu quadro cada sentimento em um único tom

De olhos fechados ou não o resultado será igual, pois ele pinta o além, com a força dos sentimentos

Quero que me pinte e me revele outra vez, que me torne por um único segundo a sua forma de amar, que como em uma aquarela, tu venha me eternizar

 

Me sinto transparente, apagado, sem tom, sem cor, tão desnecessário

Me sinto nada sem você, sem ter teu sorriso, sem teu amor não posso viver

Me sinto como um quadro branco que não expressa nada a quem vê

Me sinto nu, despido, a cada segundo que passa sinto que vou morrer

 

Mas sei que tu não deixaras que isso sejas pra sempre, sei que no fim tudo haverá entre a gente

Aquarela que de uma única forma se expressa por diversas vezes, quero que sejas assim teu amor pra mim

Amor único e imutável, como esta aquarela que ele seja pra sempre o maior adorno desta pequena casa, minha vida

Não quero ditar a tua forma de me amar, não!

Quero que me ames e tenhas tua forma de amar, que me pinte e não me deixes borrar

Sorria outra vez e expresse em teus olhos teu amor por mim, me faça correr desta cama, brincar no jardim

Que não sejas agora, mas para todo o sempre, que sejas como uma linda pintura, sensível e que dura

Aquarela é o meu amor, que o pinte agora de toda a cor

Uma tela do branco e inexpressivo, que me faça agora tua vida o teu interior, todas as palavras a si dizer

Que me expresse nessa tela à luz de vela, que eu seja pra sempre em tua sala esta linda pintura, tua aquarela

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)