Alma

Manaus, 30 de maio de 2013

Me belisque por favor me faça sentir outra dor!

Eu não aguento mais viver esta nostalgia longe de você, tua distância me faz em silêncio perecer

Minha alma esta rasgada, dilacerada, morta longe de ti

Me sinto caindo, me sinto afogando, me sinto morrendo gota a gota, como os segundo marcados por este ponteiro que não para de girar

 

Alma, energia divina, quem senti e faz sentir, o que acumula a ponto de explodir

Como um pano branco e imaculado, energia pura sem veneno algum

Como a noiva que por de trás do véu, guarda sua pureza, assim vive esta alma na imensidão do mar oculto de minha matéria

Alma faça minha matéria se mover, mostre ao mundo que ainda tenho vida longe de quem amo!

 

Meu semblante não expressa coisa alguma, com um toque fúnebre e censurado, sem destino caminho pra chegar

A dor espelhada em meu olhar quando lembro o tempo que como crianças nossas almas corriam e giravam no jardim desta paixão

Jardim de sentimentos, envolvidos estávamos, hoje nem lembranças me restaram, só o vazio do que arrancado foi do meu interior

 

Doloroso foi te perder para as circunstâncias, mais doido ainda foi acreditar que era o fim, que era sem volta, que trancada estava esta porta

Cruel foi te vê partir, vê você se distanciando, passo a passo, segundo a segundo, me deixando ali parado, como um pequeno floco de neve que mansamente vem caindo e aos poucos sucumbindo ao calor, se esvaindo, derretendo, transformando-se em vapor

Minha alma desolada, minha alma sem controle e emoção, minha alma esta morta, separada do teu coração

 

Você foi meu pequeno, você foi o meu grande, você foi o meu nada e do nada você foi o meu tudo

Você foi o sonho que vivi intensamente, você foi minha cura o que me deixou doente

Você foi e se passou, você foi o meu passado e no presente nada restou

Você é a mancha em minha alma, o nó na minha garganta, a dor da minha infância

 

Você foi, mas de ti em mim ainda muito se restou, sua presença é constante, vivido esta o meu amor

Minha alma é calma e paciente, minha alma sabe que esperar faz com que a distância se torne cada vez menor, sei que no fim dessa história viveremos, só!

Minha alma vive, por tantas vidas vivera, minha alma permanecer em seu canto sentada a te esperar

Minha alma tranquila como as águas de um riacho, minha alga te espera, espero o teu amor

Minha alma queima imortal, minha alma voa como um pássaro neste céu, não importam as circunstancia, minha alma canta no sobrenatural

Viverei pra sempre, por toda minha vida viverei, viverei a cada dia e por todos os dias te amarei

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

 

Anúncios

Meu centenário

Manaus, 25 de Maio de 2013

Garantido vem chegando, vem transbordando o seu legado

Em 100 anos traz a sua história, lembranças de um amor, de força e de conquista, Garantido o meu boi lendário, Garantido O Boi do Centenário

São 100 anos de luta, de amor e muita garra, são 100 anos de ti meu Garantido, minha joia rara

Meu centenário, meu Garantido, meu brinquedo de criança, meu boi mais querido

Centenário de amor, centenário de paixão, cem anos de vida, de cadência e tradição

Quem um dia miscigenou, ultrapassando as barreiras da diferença, mostrando ao mundo o seu sonhar, que ao som desta dança todos juntos podem brincar

Meu boi simples, meu boi de pano, meu branquinho, quem tanto amo

Falo destes 100 porque te amo, por vivo o teu sonhar, por que sei que a cada instante mais de ti em mim vou eternizar

Garantido você é a encarnação, a realidade de um sonho de um menino que queima em cada torcedor “obrigado Monte Verde, pois ao mundo o nosso Garantido tu doou!”

Garantido meu amor, Garantido meu boi, meu centenário, em ti vejo correr meu calendário

É difícil expressa e poder dizer, mas sei que de tudo tu es o mais preciso, Garantido meu bondoso

Tu vens de branco, trazendo paz, traz a expressão do coração, dançando girando o mundo ao som desta paixão

Todas as canções, todas as poesias, todos os ritmos e melodias tentam tecer quem tu es, mas nada no mundo conseguirá te expressar, nem que tente, nunca serão nem o teu falar

Tu es a expressão, a força, tu es Garantido o meu centenário, o meu amor, que tu sejas tu em fim onde eu for

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Ana Luiza Faria Sinhazinha da Fazendo acariciando o Boi Garantido

Ana Luiza Faria Sinhazinha da Fazendo acariciando o Boi Garantido