De Carne e Sangue (Palavra de Fim de Ano)

Manaus 26 de dezembro de 2015

Por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

 

Só agradecer é o bastante?

Dizer “muito obrigado” é o suficiente?

Queria mesmo acreditar que sim, queria mesmo saber que uma única palavra é capaz de fechar todas as feridas causadas por uma ação mau articulada… mas as vezes até sara.

 

Dois mil e quinze está nos deixando, mais um ano está se encerrando, sim, dando lugar a mais um novo ano… que venha 2016!

E eu estou aqui mais uma vez a agradecer por sua companhia, por vir me visitar sempre aqui, nesta casa torta e imperfeita. Muito obrigado fã, leitor, amigo meu, mesmo que sem rosto, mesmo que sem sombra, obrigado a você que carrega um pedaço de mim em você, uma marca causada por cada palavra lida neste blog.

 

Obrigado a você que lê, que compartilha, que critica, que elogia, obrigado mesmo, eu, Maikon (Sr. Patrono) te agradeço, pois se não fosse assim, como seria então?

Realmente, eu não sei…

 

Os caminhos são nossos, mas quem os constrói é o próprio Deus, Ele afasta quem nos mágoa e distância as imprudências, Ele cruza os caminhos de quem nos fortalece e nos faz crescer, Ele aproxima os de amor verdadeiro.

Por isso eu agradeço a Deus por este caminho (2015) construído por Ele e trilhado por mim, e peço, ‘aplaina senhor meu 2016’, e que sejam a mim somente os que são de carne e sangue, assim como eu.

 

Vamos pedir para 2016 uma única coisa, a visão de Deus para os nossos olhos, feito isso nada mais nos cegará nesta jornada longa e dificultosa.

Mais uma vez obrigado a todos, espero que 2015 tenha sido um ano bom a todos, e desejo que 2016 seja “Ô” ano de todos!

Fiquem com Deus e feliz Ano Novo, feliz 2016!

Anúncios

Um novo sopro, uma nova oportunidade de viver a vida. “Bem-vindo 2015!”

Manaus, 20 de dezembro de 2014

Então é isso, mas um ano que se findara, mas um novo ano que se iniciara.

Eu entendo que que não exista “fim do ano”, mas entendo que os doze meses e o novo ano sejam uma forma que a humanidade encontrou de dizer “ei, vamos parar tudo, vamos recomeçar, ei, vamos silenciar e tentar ouvir o que fala cada coração dentro de cada um de nós.”

Sim, a cada novo ano uma nova página, toda em branco, canetas e pinceis e uma nova história a ser escrita, na direção de Deus e escrita por cada um de nós, eu, Maikon (Sr. Patrono), tive um ano de 2014 muito complicado e difícil, mas acreditei e decidi viver a vida com tudo o que ela tenha pra me oferecer, seja bom, ou seja ruim, eu decidi somente viver a “VIDA”, decidi viver cada canto desta casa sem forma, sem cor, sem plástica alguma, mas que aos poucos vai se moldando conforme as minhas escolhas, as oportunidade que aceito e que rejeito, escolhi viver nesta pequena casa que aos poucos vai se encaixando e se tornando a minha vida como ela é, e como será em um futuro muito breve!

Eu sempre entendi que a vida é feita de escolhas, escolhas estas que podem repercutir como um grito em uma caverna escura e profunda, como um eco, que vai e volta, vai e volta, mas que no fim se enfraquece e aos poucos deixa de falar aos nossos ouvidos.

Não vou me prolongar muito, mas este é o meu recado pra você; “Viva a vida como deve ser vivida por você, não deixe de cantar uma estrofe que seja, não renuncie nem um canto dela, ela é sua casa, ela foi feita na medida pra você!”

Obrigado, Deus meu Pai criador, meu cuidador!

Obrigado, minha família, minha mãe, irmãos, familiares, vocês são as portas desta casa!

Obrigado, amigos vocês são as janelas desta casa!

Obrigado, e feliz Natal, que Deus proceda um ano de 2015 repleto de sonhos realizados a todos nós.

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) Escritor e Poeta.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) Escritor e Poeta.

Um breve “olá”

Manaus 02 de dezembro de 2014.

– É pessoal estamos fechando o ano de 2014 e já são quase 04 anos de blog, quase quatro anos de Sr. Patrono “O Poeta dos Sonhos”, e EU estou muito feliz!

– Não quero que pensem que em algum momento eu pensei em parar, desistir deste sonho que em muito tem se feito real na minha vida, sei que não são muitos mas, mas os poucos que leem meus textos, meus poemas leem por amarem, por gostarem do que escrevo, por isso obrigado.

– Este ano pra mim Maikon foi um ano de muitos problemas e dificuldades e por isso não tive condições de estar tanto com vocês, mas sei que em 2015 tudo será diferente, será lindo!

– O ano ainda não terminou, eu sei, mas logo se findará e nos dará uma nova oportunidade; recomeçar, de rever, de tentar de onde paramos, de zerar e iniciar tudo outra vez, fazer diferente, passar a borracha ou até mesmo continuar escrevendo exatamente de onde paramos, oportunidade de estendermos as mãos e ajudarmos a levantar quem está caído, por fim 2015 está bem ai a nossa frente anunciando o novo, o futuro que em breve será presente.

– Não temo meu passado, pois ele eu já vivi tudo o que pude viver, mas penso sim no meu futuro e desejo que ele seja o melhor do nosso presente, hoje, amanhã e sempre!

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Falando um pouquinho de mim

Sou simples nos meus desejos e exigente em realizar os dos outros, quando digo que amo é porque amo, não duvide! Não faço nada esperando algo em troca, mas a consideração e o respeito sempre me estima. Sou isso mesmo que você vê, dificilmente vou mudar, a não ser que VOCÊ me obrigue, então mudarei. Sou família e gosto muito de carinho, sou pontual e muito positivo, se tens dúvidas do que quer, do que senti, pois EU não, então sempre terei sua resposta. Sou filho de Deus como você é vivo uma batalha a cada dia então não tenha inveja, dou duro pelo pouco que tenho, faço essa cara de antipático, mas no fundo sou um bobo empático! Em fim passaria o dia escrevendo aqui, mas deixo aqui este pouquinho de mim para você, tenha um bom dia e uma linda semana.

Escrito por: Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

28º Concurso de Poesia Falada de Itacoatiara – CONPOFAI

Rosianny M. de Matos ao lado de Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Rosianny M. de Matos amiga e versadora escolhida pelo Sr. Patrono para interpretar seus poemas.

Mestre de cerimônia do 28º CONPOFAI (apresentadoras)

Mestre de cerimônia do 28º CONPOFAI (apresentadoras)

Troféu 29º FECANI – obra de madeira trabalhada a mão por artistas locais.

Troféu 29º FECANI – obra de madeira trabalhada a mão por artistas locais.

Corpo de jurados do 28º CONPOFAI

Corpo de jurados do 28º CONPOFAI

Rosianny reverberando SORRISO o primeiro poema do Sr. Patrono interpretado no dia.

Rosianny reverberando SORRISO o primeiro poema do Sr. Patrono interpretado no dia.

Rosianny reverberando SOU COMO SOU o segundo poema do Sr. Patrono interpretado no dia.

Rosianny reverberando SOU COMO SOU o segundo poema do Sr. Patrono interpretado no dia.

Os jurados observam e ouvem atentamente cada gesto e cada palavra e tomam suas decisões.

Os jurados observam e ouvem atentamente cada gesto e cada palavra e tomam suas decisões.

É anunciando a terceira posição, jurado aguarda para entregar o prêmio de terceiro lugar no 28º CONPOFAI.

É anunciando a terceira posição, jurado aguarda para entregar o prêmio de terceiro lugar no 28º CONPOFAI.

Rosianny recebe o troféu de 3º colocado e Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) sobe para agradecer junto a ela.

Rosianny recebe o troféu de 3º colocado e Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) sobe para agradecer junto a ela.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) recebe prêmio por terceira colocação no 28º CONPOFAI e compartilha seu momento.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) recebe prêmio por terceira colocação no 28º CONPOFAI e compartilha seu momento.

Rosianny e Maikon recebem troféu de terceiro colocado e compartilham momento com o público.

Rosianny e Maikon recebem troféu de terceiro colocado e compartilham momento com o público.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) ao lado de amigos de disputa, jurado e fãs de suas obras.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono) ao lado de amigos de disputa, jurado e fãs de suas obras.

Rosianny ao lado de jurado, momento de confraternização.

Rosianny ao lado de jurado, momento de confraternização.

Maikon ao lado de jurado, que o parabeniza pela participação e poema.

Maikon ao lado de jurado, que o parabeniza pela participação e poema.

Rubens M. de Matos irmão de Rosianny e amigo do Sr. Patrono seguram o troféu e celebram a vitória.

Rubens M. de Matos irmão de Rosianny e amigo do Sr. Patrono seguram o troféu e celebram a vitória.

– Algumas fotos para guardamos no coração, fotos que vão sempre lembrar toda tensão e nervosismos do 28º Concurso de Poesia Falada de Itacoatiara (CONPOFAI), e é claro fotos que vão nos trazer a memória a vitória, o contentamento de termos conquistado o terceiro lugar como melhor poesia a nível nacional.

Obrigado.

Maikon R. de Assis (Sr. Patrono)

Sou Como Sou

– Sou Como Sou se tornou o primeiro poema campeão do nosso Poeta dos Sonhos, apresentado no 28º Concurso de Poesias Faladas de Itacoatiara o CONPOFAI, modalidade do FECANI, este poema teve destaque, sendo o 18º poema a ser apresentado na tarde do dia 06 de setembro de 2013, Sou Como Sou conquistou a terceira colocação, arrebatando um dos prêmios como início de um grande marco. Interpretado por uma grande amiga Rosianny Moraes, Sou Como Sou arrebatou gritos e emocionou a todos, trouxe polemicas com suas frases e ideologias. Mas agora chegou a vez de você que é fã das minhas obras curti um pouco do que sou!

Manaus, 31 de maio de 2013

O que sou, quem pode me dizer?

Sou reflexo do que amo, sou o que você vê

Sou como sou, sem esforços pra ser “EU”!

Sou tua vontade, sou teu santo de verdade, o que tu prometeu

Eu sou tanto, mas no fim eu não sou nada!

Eu sou um sonho, mas na real sou teu pior pesadelo, sou teu pedaço, meu coração é teu por inteiro

Sou fraco, imaturo, sou teu bobo menino que corre sem direção, sou teu pai de bengala, sou quem segura tua mão

Sou a ventania, sou a correnteza, sou a flor mais bela, sou eu tua fera, esta criança fria na janela

Sou assim e não tem outro jeito, sou esse carinha estranho que sorrir para você, sou eu em minhas vontades, sou sem jeito, desajeitado com vontade de crescer

Sou assim torto e imperfeito, sou esta perdição, o amor que arde em teu peito, quem esmaga teu coração

Sou eu por te amar, sou eu por sofrer por este amor, sou em tua vida a gota de cura, sou eu o teu senhor

Eu não tenho sexo, eu não tenho cor, eu não tenho idade, nem fronteiras para me limitar, eu não tenho nem água para minha sede saciar

Eu não tenho teto, nem cama alguma para descansar, eu não tenho nada, eu não tenho nem força para caminhar

Eu sou assim, sou como sou e como posso mudar?

Eu não tenho em teu mundo é nada, tenho só a vida para gastar

Eu sou assim tão pequeno em tua mão, eu sou como um caroço de feijão

Sou como sou, sou tua vontade, sou como sou, sou tua liberdade

Sou como sou assim sem pudor, sou como sou teu corpo nu no meu a se esfregar, eu sou como sou, tua vontade louca de me amar!

Sou como sou e não tenho explicação, estou na mente, no espírito, estou no ar, estou no coração

Eu sou o dom da liberdade e te convido a experimentar, sei que ser livre é difícil, tem todo um mundinho a ti julgar

Sou como sou e não sou diferente de você, sou como sou e escolhe meu caminho a percorrer

Sou assim dono das minhas vontades, sou como sou, quem me cuida e quem me ama, sou eu comigo mesmo o melhor dos sexos, eu sou bom de cama o que sobrar é só o resto

Sou a minha imortalidade, eu sou como sou, sou em mim a pura verdade!

Escrito por: Maikon R. Costa de Assis (Sr. Patrono)

Sorriso

– Este poema foi classificado para concorrer no 28º Concurso de Poesia Falada de Itacoatiara o CONPOFAI, foi o 11º poema a ser apresentado na tarde do dia 06 de setembro de 2013. Sorriso acabou não ganhando prêmio ou se classificando entre os três mais, mas arrebatou aplausos e gritos de pessoas que ainda nem tinham ouvido falar do Sr. Patrono, reverberado pela minha queridíssima amiga Rosianny Moraes sua interpretação foi intrigante e arrebatadora, mas agora chegou a vez dos fãs do nosso blog aproveitarem estes versos.

Manaus, 21 de junho de 2013

Ouço um ruído, ruído que brinda chamando minha atenção, eu ouço um ruído, o ruído singelo do sorriso que me apanha na palma das mãos

Sorriso que me encanta e me faz apaixonar, sorriso torto que me põe por toda a minha vida a sonhar

Eu ouço um ruído, o ruído do teu sorriso, que lindo ruído, o canto dos anjos no paraíso

Ruído lindo teu sorriso, sorriso que me encanta e que me faz assim, tão bobo fora de mim

Desejei um dia me apaixonar, eu quis tanto uma amor de verdade, uma louca paixão, fora da realidade, com quem pudesse caminhar

Senti um dia este vento soprar, senti sua brisa com as mechas de meu cabelo brincar e percebi que ti amava

Fechei meus olhos e vi um mundo diferente, eu vi tudo, menos a distância entre a gente, vi o teu sorriso em um mundo tão contente

Força de vontade, dessa desigualdade, da realidade de quem vive um eterno amor

Força das mãos que pune com dor quem amo sem pudor

Força de quem ama, de quem se revela na cama, que mostra sua cara e deixa bater, vou precisar de forças para viver

Revelado está o meu amor, revelado exposto como for

Amor encontrado em um sorriso expressado no momento em que teus olhos me encontrou

Sorriso lindo que me fascina, sorriso doce e que me faz amar, vivo feliz sorrindo por te achar

Escrito por: Maikon R. Costa de Assis (Sr. Patrono)